domingo, 20 de abril de 2008

Poema de domingo

Autor: Ademir Demarchi


Diz-se
quando todos os pássaros voam
ao mesmo tempo, sem razão
apenas para o espaço
voam
Diz-se
quando também o amante diz
e as labaredas lambem
bis
Diz-se
na ausência das palavras
e na inexistência de interlocutores
Diz-se
o tempo todo
e na quimera de nada se ter a dizer
Diz-se sibilinamente
e com volúpia
a utopia prazerosa de dizer
* *
*
Ademir Demarchi nasceu em Maringá (PR) e vive em Campinas (SP). Editor da revista Babel, tem vários livros publicados. Seu livro mais recente é Os mortos na sala de jantar, pela editora Realejo.

2 comentários:

Í.ta** disse...

diz-se que disse,
ou
disse que diz-se

^^

amei isto: "Diz-se na ausência das palavras e na inexistência de interlocutores".

beijo,
Í.ta**

Anônimo disse...

Como é necessária a poesia.
Como é bom ler poesia.
Que bonita esta!
Bela escolha, Suzana!
Aproveito pra dizer que sua crônica deste 21 está MUITO BOA!Vim ao micro dando risadas
do episódio "vôo da perereca".
O bom é que voce é ainda uma menina
e terá muito pra contar, ao ver coisas das quais duvidará .
Seu auto-controle ao ver voar aquela dentadura, e respeitosamente
segurar o riso foi muito importante.
O bom é que o fato trouxe alegria aquela família e, sua sensibilidade clicou o mais
bacana da cena.O mais importante
é que vc vai por uma porcelana que
manterá seu sorriso lindão.Bj da Fatima de Laguna.