sábado, 31 de julho de 2010

Ninguém

Toquei minha pele na pele do meu
inimigo. Nunca mais escrevi nome
algum. Ninguém: é o que sou.

Hiberno. Até que tudo retome um
sentido. O desassossego é para ser
sentido a sós.

Beijei a face do meu inimigo. Uma e
Outra. Ele ofereceu-me o corpo.
Negado três vezes: judiação.

Com lâmina afiada, arranquei a pele
do meu braço e rosto. Pergaminho
para escrever nenhum nome.

Hiberno. Enquanto meu corpo se
reveste.

Pele macia a do inimigo. Lobo vestido
de algodão. Boca e língua de castigo.
O verbo: emudecido.

Hiberno.


Poema finalista do Prêmio OFF FLIP 2010

14 comentários:

marlene disse...

Forte...profundo...bem escrito...amei!!!!
Parabéns pela premiação!!!!Você merece....fiquei muito orgulhosa...tenho certeza que ainda virão muitas outras....você tem um dom especial com as palavras.
Curta muito tua ida a Paraty....é um momeno único!!!
Beijos carinhosos

Roberta Malta disse...

Pelo que leio do seu blog, em um primeiro momento, vi nesse poema uma outra face de sua poética. Mas logo percebi que está tudo em conformidade com quem acredita em borboletras.
Talvez seja mesmo melhor hibernar nesses momentos de desassossego...Pode ser melhor parar e esperar, do que agir quando somos assim surpreendidas pelo inimigo...Melhor emudecer...
Parabéns pelo seu trabalho.Muita luz em sua caminhada
um beijo

jessica daiane disse...

ola amei seu blog
voltarei com mais tempo para lelo..
quando puder visite o meu bjs em cascatas

Rodrigo Bastos disse...

Muito bonito seu blog, parabéns!
Acabei de preparar meu blog de poemas também. Se puder visitar e me dar uma opinião, agradeço imensamente:
www.momentosdalma.blogspot.com
Abraços e sucesso!
Rodrigo.

Juliana Zanella Lazarini disse...

Bom dia amiga!

Maravilhoso poema...
E quem não sentiu-se assim
em algum momento?
Tormento apenas é...
suportar o "ibernar"
Mas havemos de conseguir...
Adoro seu trabalho.
Parabéns! É de pessoas como você que o mundo precisa;em algum momento o mundo perdeu a essencia da delicadeza.
E há de se comemorar muitíssimo quando encontramos alguém que ainda ás tem.
Abraços.

Chris Couty disse...

Simplesmente, amei!!!
Li um pouco dos seus poemas, sou apaixonada por essa forma de expressão, adoro escrever, adoro ler...

Voltarei mais...

Parabéns!!!

Della disse...

Parabéns pela imagem criada com as palavras.
Abraços poéticos, já estou seguindo seu Blog.
Della Coelho
http://dellacoelho.blogspot.com

Jussara Batista disse...

Lindo seu blog parabéns!
Sou nova no meio 'blogueiro' mas amo poesias desde sempre, quando puder faça uma visita ao meu blog: www.caligraphias.blogspot.com
to no começinho, aprendendo ainda a mexer mas com calma eu chego lá.
grande abraço
Jussara.

Aeternum disse...

Que poema lindo! Tão sutil! Tão vivo, quase da pra sentir a vida pulsando dentro dele.

Eu também escrevo, não tão bem assim, mas se quiser dar uma olhadinha, e eventualmente comentar(com profunda sinceridade), confiarei no seu julgamento, diante de tanto talento:

http://www.lightofvirgo.blogspot.com/

Perturbado disse...

Parabéns! Ótimo poema, ótimo blog. Vou Ter o prazer de seguir-lo.

Pedro Cavalcante disse...

Conheci o teu blog por acaso e me deparei, já de entrada, com um dos poemas mais arrebatadores que li nos últimos tempos. Mereceu - e muito - a notabilidade alcançada na FLIP... Enfim, meus parabéns!

Saudações literárias,
Pedro Cavalcante.

Barkaça disse...

Muito bonito o poema.. intenso. rasga a pele no fio de navalha.

Temos um site de literatura:

www.barkaca.com

R.B.Côvo disse...

O poema é muito bom, sim. Deixo-lhe aqui o convite para que visite o meu humilde espaço:
www.rb-covo.blogspot.com

Um abraço

Mara faturi disse...

"O VERBO EMUDECIDO"..Mas nunca calado; Tua poesia "grita" bonito Moça;))
Grande bjo, com todo meu encantamento!