sexta-feira, 6 de julho de 2012

Formigas

Subiram no meu pé

pensaram que fosse um pé de árvore

não me importei com as formigas subindo pelos meus braços

passeando no meu nariz

escalando as rugas da minha testa

brincando de esconde-esconde nos meus cabelos



não havia pêssegos

por isso elas desceram

cruzaram a grama

voltaram ao formigueiro



voltei pra casa

encontrei uma folha no travesseiro

outra no banheiro

ao pentear os cabelos

flores caíram, flores de pessegueiro

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá!

Adorei formigas

Anônimo disse...

Olá!
Adoro formigas. Gostei do poema.
Abraço

soraia disse...

Olá,
Gostei muito desse poema...
Tem um naturalidade, um ritmo inconstante.
Visite meu blog lá também...
http://poemasepoesiasdasoraia.blogspot.com.br/
Desde já agradeço....

Cynthia Lopes disse...

Perfeita
integração
com a natureza.

Dyego Flowers disse...

Muito belo, Suzana. As palavras são doces - provei-as amiúde, mas não enjoei.
Lindo modo de versar!
Siga nessa, garota!

Anônimo disse...

Belo poema. Muito lindas as imagens de um narrador amalgamado com a natureza.

Estou com um recém-nascido blog de poesia. Pra quem quiser visitar: http://desdizer.wordpress.com/